Enxaqueca em crianças

Enxaqueca em crianças

enxaqueca-na-infancia

Estima-se que 4 a 8% das crianças tenham enxaqueca. Muitas começam aos cinco anos de idade e há pais que asseguram que, mesmo antes, seus filhos já se queixavam de dor de cabeça.

De fato, a enxaqueca pode se iniciar entre os cinco e os 40 anos de idade, e 40% daqueles que iniciam a sua dor antes dos dez anos podem entrar em remissão (fim da dor) espontânea durante a puberdade. Os meninos apresentam uma ligeira predominância sobre as meninas na prevalência da enxaqueca, mas isto é revertido após a puberdade, quando começam a ser produzidos os hormônios sexuais e o estrogênio, que sofre oscilações normais durante o mês no sangue das meninas.

Como saber se a criança está com dor de cabeça?

É problemático, muitas vezes, saber se a criança realmente tem dor de cabeça, enxaqueca ou se está simplesmente imitando algum parente próximo que sofra de dor de cabeça. No entanto, se ela começa a evitar fazer o que gosta por causa de dor de cabeça e não apenas aquilo que lhe é desagradável, é hora de pensarmos na veracidade das queixas. Se tiver algum parente de primeiro grau com enxaqueca com quem ela convive, aí então é bem provável que esse seja o seu problema, em função da transmissão hereditária desta doença.

Como reconhecer a enxaqueca na criança?

A apresentação clínica dos ataques de enxaqueca é um pouco diferente nas crianças. Apresenta-se, geralmente, da seguinte forma:

* Dor mais em peso ou pressão;

* Localização nos dois lados da fronte;

* Intensidade moderada (geralmente inferior à dos adultos);

* Costuma ter duração inferior a 4 horas;

* Os sintomas associados de enjoo, vômitos e intolerância à luz, ruídos e odores fortes também são comuns.

Tratamento das crises de enxaqueca em crianças

O tratamento das crises em crianças também difere do tratamento de adultos. Enquanto as crises infantis são mais leves e geralmente de duração inferior, as dos adultos tendem a ser mais dramáticas e incapacitantes. Por isso, não raro as crianças não utilizam remédios para combatê-las, aprendendo a buscar elas próprias o repouso ou o ato de dormir, que frequentemente trazem alívio. Muitas vezes, água fria na face e cabeça representam grandes aliados à melhora da dor. Em outras ocasiões entretanto, é necessário o uso de medicamentos para as crises, que também diferem dos usados em adultos.