Hábitos de fumar

0temp02b

Atualmente, cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o planeta são fumantes. Estima-se que nas próximas duas décadas, esse número se elevará para 1,6 bilhões, com grande contribuição dos países mais pobres, onde o consumo de tabaco tem aumentado e já representa a maior fonte de lucros da indústria tabagista.

Em todo o mundo, morrem mais pessoas de doenças relacionadas ao tabagismo do que de AIDS, álcool, drogas ilegais, assassinatos, suicídios e acidentes automobilísticos juntos, também sendo diretamente responsável por:

  • 9 em cada 10 mortes por câncer de pulmão
  • 3 em cada 10 mortes por qualquer tipo de câncer
  • 3 em cada 10 mortes por doenças cardiovasculares
  • 8 em cada 10 casos de DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), como o enfisema pulmonar ou a bronquite crônica
  • 1 em cada 2 mortes de fumantes

As principais causas de mortes relacionadas ao tabaco são as doenças cardiovasculares, o câncer de pulmão e o DPOC (enfisema e bronquite crônica). Um fumante de longa data tem sua expectativa de vida reduzida em 13 anos, e pelo menos, 50% dos usuários morrerão de alguma doença diretamente causada pelo cigarro.

Um simples cigarro contém  cerca de 600 substâncias. Ao ser aceso, o processo de combustão transforma essas 600 substâncias em mais de 7000 produtos químicos, sendo, pelo menos, 400 delas sabidamente tóxicas ao organismo. Entre as substâncias nocivas que absorvemos, podemos citar: ácido acético, metanol, chumbo, tolueno, arsênio, metano, amônio, cadmium, hexamina, monóxido de carbono, alcatrão e nicotina.

Algumas das principais doenças relacionadas ao cigarro:

  • Alzheimer
  • Asma
  • AVC
  • Mau hálito
  • Infertilidade
  • Envelhecimento precoce

Outro problema a ser citado é o fumo passivo, que pode levar as mesmas doenças do fumo ativo. Por isso, as leis antitabagismo, cada vez mais restritivas em todo mundo, não são apenas uma questão de não-fumantes incomodados com o cheiro da fumaça do cigarro. É uma questão de saúde pessoal e pública.